4/17/2009

O paradoxo do saber

Adquirir conhecimento é poder ampliar e visionar novos horizontes. Com ele, podemos alterar diversos estágios do hoje. No entanto, não implica melhorar para um todo e muito menos para si. Esse, o conhecimento, é empregado para diversos fins.

Acredito que os impulsos deletérios do saber são inibidores do crescer. Limitadores do eu. As pessoas que vivem egoisticamente do conhecimento acabam atraindo para si um amargor perene. Um fardo carregado, muitas vezes, inconsciente, que pesará no somatório do existir. Um preço alto, quem sabe.

Ao contrário, as que transmutam o saber em causas construtivas possuem em si uma chama propulsora do viver. Irradiam luz. A vontade de viver é maior e os problemas são minimizados pelo olhar.

Os dois gestos propagados, opostos natos e frutos da mesma raiz, são irradiados e amplificados pela postura escolhida. Entre os diversos paradoxos gerados por esse assunto, talvez, o mais pulsante resida na manutenção dessa chama. As encruzilhadas são alcançadas. Ao enxergá-las, a clarividência, intuição latente, talvez seja a melhor arma na hora da escolha. Escolhas do viver.
foto.

3 comentários:

Ela disse...

Fiquei uns dias sem vir aqui, e ao chegar, grata surpresa. A inspiração que fugiu daqui , parou na tua casa.

saudade

Gabriela disse...

o bom uso do conhecimento é um caminho rico... do contrário...é estacionar....

bjos

Lidiane disse...

Eu amo olhar o Olhares. É redundante, mas é bonito.

Um abraço.

:)