4/28/2009

Dias assim

Tenho observado o tempo passar com olhos do querer. Sozinho, introspectivo e relativamente feliz. Andando no caminho de sempre, no caminho do meio. Sem demasias. Querendo, sem encontrar. Caminhando, sem tropeçar.
Foto.

8 comentários:

Avassaladora disse...

Alberto, decididamente vc é muito contido...rs

Eu quero caminhar a beira do abismo!
Quero tropeçar e cair quantas vezes forem necesárias!
Apesar de tudo, ainda tenho sede viver!

E quando percebo vc assim tão manso com a vida, fico admirada...
Juro que gostaria de ser assim...rs

Beijo grande!

Alberto Marques disse...

Já andei por abismos, já fugi de mim, caí de diversas formas, busquei todos os contornos dos sentires, tentei esgotar todas as possibilidades do existir e outras cositas mais. Hoje prefiro andar por caminhos menos tortuosos e mais consequentes.

Avassaladora disse...

Ah, migo amado!
Eu tb... mas continuo querendo mais e mais...rsrsrrsrs
Coisas de uma alma inquieta!

Besos!!!

Gabriela disse...

eu fico nessa linha tenue, entre viver e morrer...

bjos

Di disse...

Oi! Voltei, e você tem andado inspirado e com mais tempo. Que bom. :)

Ó, eu faço o que meu corazón e minha intuição mandarem, principalmente o que a intuição mandar, a minha tentou me salvar de burradas homéricas e eu não ouvi. Agora vou ouvir sempre!

Volto pra ler tudin depois.
beijo

Rha Belloti disse...

Sabe, essa história de caminho do meio me deixa com "uma pulga atrás da orelha". Sempre me achei no cmainho do meio, mas a verdade é que só estou nele enquanto é fácil, nas situações de tranquilidade e equilíbrio. Mas quando o cmainho do meio relamente se faz necessário em minha vida eu corro pra direita ou pra esquerda desequilibrada, nervosa, em lágrimas...é eu não sigo esse caminho manso e bonito, talvez por isso não consiga perceber muitas coisas boas em minha volta!

Alberto Marques disse...

Rha,
sempre teremos momentos que saímos do centro, mas quando encontramos um certo equilíbrio, voltamos mais facilmente a ele. É preciso ter calma e fazer acontecer o amanhã.

Darlene Santiago disse...

Fantástico!
Já fiz uma reflexão sobre o tema.
Antes, para encontrar o caminho do meio, é necessário viver extremos. Só assim, poderemos encontrar a medida.