7/19/2008

Amor coletivo

A primeira oportunidade que a vida nos dá para aprendermos alguns conceitos da existência em coletividade é a vivência familiar. Esse é um processo intenso e influenciador de toda nossa formação. Com ela criaremos parâmetros para o nosso amanhã. Depois dessa, existem muitas outras ocasiões com representatividade menor.

A segunda grande chance para nossa evolução, no sentido coletivo e na atual compreensão de vida em sociedade, são os relacionamentos, veladamente conhecidos como agregadores familiares. Fortes, insanos, sóbrios, não importa. Todos são motivo de aprendizagem e acabam agregando, simbolicamente, mais aos nossos dias.

Nesta jornada, busco explicação para os mistérios do dividir. Desconfio que neles, os relacionamentos, sejam eles familiares ou não, repousam todos os segredos da irmandade. Como controlar e equiparar todas as diferenças dos momentos vividos?

Tenho, incessantemente, pensado sobre isso, mas não alcanço a resposta. Sei que buscarei por muito tempo, mas um dia alcançarei. Doação, compreensão, perdão, compaixão são singelas representações do amor. Estas só estão presentes nos possuidores de tal sentimento.

Único e indivisível, o amor.

3 comentários:

Ela disse...

Somos sócio Históricos, isto é fato, e vivemos aprendendo com as relações sociais , sejam elas intensas ou mornas. Assim eu acredito! (hoje)

quanto as respostas... sim elas serão encontradas um dia, mas... pode ser também que neste momento a sperguntas sejam outras.

renata. disse...

e que assim seja. amém!!!

=))

Di disse...

Pessoas precisam umas das outras, por isso é necessário aprender a dividir. Nisso todo mundo ganha.
Que bom que tá tendo mais tempo pra postar. =D

Boa semana!
Beijo