6/05/2010

A essência descompleta

Vivencio lugares e nada vejo. A busca é inominada, fugaz. O resultado é uma crença voraz de um descrente. Neste meio tempo, tenho corroído a parte concreta de mim. Vivo.

Com pensamentos e palavras próximas, a inspiração deste post veio do Dias genéricos.

Foto.

6 comentários:

Patrícia Gonçalves disse...

Incrível, muito bom, gostei! Interessante, gostaria de entender isso..., como os textos se complementam, se entendem e conversam entre si. No não dito das palavras há, efetivamente, um espaço, um lugar...

beijo

Sammyra Santana disse...

Adorei o post!
E sigo pensando em como seria a crença voraz de um descrente...
filosofemos, rs!
Abração!

Alberto Marques disse...

É relacionada a uma pessoa que "nada" crer. É como se o todo não existisse. Quando se tem alguma referência de algo, é fácil jugar outra. Talvez resida numa crença cega. Não muito distante da não-pensante.

Ela disse...

Procure limpar as lentes, Verás muitas coisas, boas e ruins. Mas é sempre bom ver.

abraço saudade de ti

Alberto Marques disse...

Estão límpidas, Ela. Obrigado pela visita. Saudade.

Ela disse...

Obrigada pela indicação. Criei uma rede social , fruto de uma pesuqisa de monografia. Preciso d emuita fundamentação.

Quer visitar:
www.professoresdeagrolandia.ning.com

abraço